71) Meu “pai na fé”! Meu “filho na fé”! Quantos “filhos espirituais” você tem?

neologismo2Ora, na família de Deus há apenas um Pai e todos os homens e mulheres dessa família são irmãos e irmãs. Mas, de tempos em tempos, os cristãos esquecem que tipo de família são… e então criam outros graus de parentesco, dizendo “fulano é meu ‘pai’ na fé”, ou “fulana é minha ‘filha’ na fé”.

São frases muito comuns, mas estranhas e, portanto, “neologísticas”! Afinal Deus não tem “netos”, né não! Os discípulo do Novo Testamento não chamavam a ninguém de “pai” ou de filho, a não ser afetivamente! Nunca “espiritualmente”! A propósito, Jesus disse expressamente: “A ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o que está nos céus… e todos vós sois irmãos!” (Mateus 23.8,9). O único que pode ser chamado “Pai” é aquele que gera, portanto, o próprio Deus. João diz que os filhos de Deus não nascem por vontade humana, mas divina (Jo 1.12).

08CAMPINASLogo, nessa família de Deus, a única tarefa que os filhos de Deus podem assumir em relação aos outros é aquela de irmãos mais velhos que ajudam os mais novos. Quando um cristão compartilha a fé com outra pessoa, ele jamais deve assumir o papel de “pai espiritual”, mas de “irmão”, de “companheiro” de caminhada. Assim se garante que a fé cristã seja uma fé de emancipação e não de menoridade permanente. Assim, se “re”-estabelece a igualdade e a solidariedade entre as pessoas e se afirma apenas Um acima delas: “o Pai de todos nós que está do céu”.

Pergunta que não quer calar: Dá para crescer e assumir a plena estatura cristã? Dá para ajudar os irmãos a saírem da menoridade?

by Eliseu Pereira
Professor na Faculdade Batista do Paraná e na Faculdade Cristã de Curitiba
Estudou Teologia na instituição de ensino PUC PR
https://www.facebook.com/eliseugp

4 Responses to 71) Meu “pai na fé”! Meu “filho na fé”! Quantos “filhos espirituais” você tem?

  1. O articulista não foi feliz. Que todos somos irmãos e apenas isso, está certo. Mas a expressão FILHO NA FÉ é bíblica. A Timóteo meu verdadeiro filho na fé: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus nosso Pai, e da de Cristo Jesus, nosso Senhor. (1Tm 1:2). Portanto, é bom avaliar bem o que se diz para não cair em contradição.
    Paulo chega a REIVINDICAR seu direito de PAI NA FÉ dos coríntios: Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo. (1Co 4:15)

    Pastor Wagner Antonio de Araújo, cujo PAI NA FÉ (aquele que o evangelizou e o conduziu à decisão por Cristo) é o Pastor Timofei Diacov.

  2. Eliseu Pereira disse:

    Querido pastor Wagner,

    Sim, como disse acima, um ou outro apóstolo chamou seus discípulos de “filho”, mas, a meu ver, no sentido afetivo, não espiritual (de guru). O velho Paulo não ganhou Timóteo para Jesus, apenas acolheu o jovem como filho mesmo e o aconselhou no ministério, como irmão mais velho.

    Mas, a proposta de criticar os “neologismos religiosos” não tem o objetivo de discutir as “palavras” em si, mas os discursos e práticas que estão por trás delas. Afinal, os problemas não são as palavras, mas as “tiranias” espirituais que se estabelecem por meio delas. Há um vídeo na internet em que o Pr. José Rodrigues (da missão MCM) reclama abertamente: “Por que vcs me chamam de pai espiritual e não me tratam como verdadeiro pai?”. Esse é um caso de inversão, em que o irmão reivindica tratamento especial de ser “cobertura” e diz: “Se vc não tiver um pai espiritual, vc está debaixo de maldição!”. Acho que o velho Paulo nunca jamais imaginou tal aberração. É para me resguardar dessas “hierarquias” que eu prefiro me dirigir aos irmãos como “irmãos” mais velhos ou mais novos, mas tão somente irmãos. Deus nos ajude.
    Um grande abraço. Em Cristo.

  3. Aparecido Oliveira disse:

    Parabéns Eliseu Pereira, pelo texto claro, objetivo e bíblico. Paz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *